quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Momento Espírita: ENTÃO, É NATAL


E de repente, chega dezembro. Os meses rolaram tão rapidamente que nem nos apercebemos.

Ainda ontem era início de ano, férias. Depois, as semanas se precipitaram, sem nos dar chance de as viver em plenitude.

Então, é Natal. As vitrines estão repletas de ofertas e presentes, as ruas iluminadas. A cidade parece viver um clima de magia.

Tudo parece lindo, maravilhoso. As bolas vermelhas e douradas, os enormes laços de fita, os pinheiros cheios de luzes. As casas enfeitadas com mil lâmpadas, desejando dizer que é festa, é Natal.

Tocam sinos, tocam músicas. E pessoas compram presentes: pequenos, grandes caros, modestos.

Natal. Aniversário do Ser mais importante que esta Terra já abrigou: o Rei solar. Jesus, o Mestre.

E, quando a data se aproxima e tantos cantam e falam a respeito do Natal, emocionando corações, é bom nos perguntarmos: O que daremos ao Menino Jesus na noite santa?

Se o aniversário é dEle, o que temos para lhe oferecer? Podemos lhe oferecer os sorrisos que sorrimos durante todos os meses anteriores?

Aqueles que sorrimos para os nossos amores. Mas também para os amores alheios ou para quem nem tinha amores.

Podemos lhe oferecer as mãos perfumadas pelo trabalho honroso com que sustentamos nossa família, vencendo cada dia, com dignidade.

Mãos que também ampararam a família de quem padecia necessidades, de quem não tinha pão, nem carne, nem leite.

Mãos que prepararam sopas e as distribuíram nas madrugadas frias aos que não tinham um teto para retornar.

Mãos que embrulharam muitos presentes e colocaram na sala, para serem abertos no dia de Natal.

Mãos que prepararam pacotes vistosos para quem nem espera presentes. Crianças que serão surpreendidas com a realização do seu sonho, ganhando o ambicionado brinquedo.

Idosos que receberão mimos de quem sabe que a velhice deve ser amparada e festejada.

Podemos lhe oferecer nossos braços que aconchegaram ao peito o filho pequeno, que lhe atenderam a febre, a dor, o choro, nas madrugadas afora.

Braços que também se estenderam em direção do próximo, soerguendo-o da tristeza e envolvendo-o em abraços de fraternidade.

Podemos oferecer nossos ombros. Aqueles nos quais choraram nossos amigos, nossos amados.

Ombros que também serviram de apoio a deserdados do mundo que se mostravam tristes e desalentados.

Que temos a oferecer para o Menino Jesus?

*   *   *

É noite de Natal. Enquanto cantam hosanas os mensageiros celestes, rememorando a noite especial em que o Senhor das estrelas veio à Terra e encarnou entre nós, cantemos também.

Unamos o canto da nossa gratidão ao Senhor Jesus pela vida, pelo lar, pelo que temos, pelo que somos.

Cantemos rogando luz a quem ainda não teve a alegria de conhecer o nobre Aniversariante.

Para quem não conhece o verdadeiro sentido do Natal. Para quem o Natal é somente mais um dia, sem poesia porque desejamos, ardentemente, que neste Natal, esse alguém se dê conta de que o Natal existe, de que o Rei Solar veio estar conosco.

Para esse alguém desejamos um Natal feliz, um Natal de descoberta, um Natal de paz. Seu primeiro e verdadeiro Natal.

Redação do Momento Espírita.
Em 24.12.2015.

Fonte: Momento Espírita
www.momento.com.br



Postar um comentário