segunda-feira, 3 de abril de 2017

Divaldo Franco: SEDE DE DEUS


A ciência e a tecnologia ensejaram-nos conhecer grande parte do Universo e deslumbrar-nos com a Criação. Raramente, porém, ao contemplarmos as belezas e as conquistas do conhecimento, recordamo-nos do Criador e da Sua misericórdia para com todos que fazemos parte da Sua criação.

O fascínio que nos exercem as incontáveis aquisições que nos arrebatam não foram, porém, suficientes para alterar a nossa conduta moral, liberando-nos do egoísmo, da insensatez e da presunção de grandeza que nos atribuímos.

Alguns chegamos a crer que tudo isso é fruto da inteligência investigadora e necessitada de respostas para os enigmas que aturdiram as gerações transatas, deixando-nos empolgar pela vaidade que nos faz parecer verdadeiros deuses…

Em consequência, as glórias desveladas não lograram acalmar as ansiedades do coração e as necessidades da mente. Há desvarios e misérias que aumentam à nossa volta e que nos empurram aos abismos de dor e de angústias, tornando a nossa uma sociedade de solitários e atormentados.
Cultivamos os sonhos de beleza e de plenitude, nada obstante, tombamos inermes nos pesadelos da aflição e do desencanto, tornando a nossa uma situação espiritual deplorável. Felizmente, já dispomos de recursos valiosos, senão indispensáveis para a conquista dos valores éticos plenificadores.

Entre os dias 17 e 19 do corrente, em São José dos Pinhais, PR, teve lugar a série de conferências apresentadas pela Federação Espírita do Paraná. Nos imensos salões da Expotrade, em cada dia de atividades reuniram-se mais de 10 mil pessoas ávidas, sedentas de Deus.

Em noite de abertura chuvosa, com trânsito difícil e construção do acesso à cidade da grande Curitiba, o imenso auditório esteve totalmente lotado, embora o ato estivesse sendo transmitido através de rádio, Facebook, televisão e outros veículos da mídia, havendo sido acompanhado por mais de cem mil pessoas em todo o mundo.

Nos dois dias sucessivos até o domingo, por ocasião do seu encerramento, o público esteve ávido, presente, ora emocionado, ora em sorrisos largos de felicidade, numa gigantesca confraternização entre pessoas de diferentes culturas, cidades e Estados, buscando compreender o sentido e significado da vida à luz do Espiritismo.

Livros, periódicos, gravações de conferências foram adquiridos com avidez, na tentativa de aprofundar-se o conhecimento em torno da Vida, da imortalidade do Espírito, das lutas e dores que se devem enfrentar no transcurso da jornada evolutiva.

A parte artística, de excelente qualidade, arrancou aplausos expressivos, sendo esse espetáculo gratuito, facultando a todos a oportunidade de diminuir a sua sede de Deus e encontrar o caminho da plenitude.


Divaldo Pereira Franco
Artigo publicado no jornal A Tarde,
coluna Opinião, em 23.3.2017.
Em 24.3.2017.

Fonte: Divaldo Franco


Postar um comentário