quarta-feira, 3 de maio de 2017

Divaldo Franco: HÁ SETENTA ANOS...


No último domingo, dia 2 do corrente[abril 2017], o Teatro Municipal do Rio de Janeiro  abriu as suas portas e bela sede para apresentar um Seminário intitulado  Seja Feliz Hoje.

Inspirada a sua arquitetura no belíssimo edifício Ópera de Paris, o acontecimento despertou o interesse da multidão de amantes das artes cênicas, atraindo em uma semana um público de duas mil e duzentas pessoas, ficando uma fila de mais de cem outras em espera, na expectativa de alguma desistência.

O Seminário foi realizado em favor de uma veneranda instituição com sede na capital antiga da República, denominada Movimento de Amor ao Próximo, que se dedica a amparar crianças e pessoas socialmente desvalidas, promovendo-as e oferecendo-lhes amor e respeito.

A programação artística foi apresentada por músicas clássicas (piano, violino e canto) e logo após a apresentação do expositor e estudo do tema em foco.

O apresentador referiu-se a um jovem de dezenove anos que, no dia 27 de março de 1947, na cidade de Aracaju (SE), de improviso pronunciou a sua primeira conferência a respeito do Espiritismo, sob a inspiração superior do mundo espiritual.

Havendo causado um impacto na época, o referido médium prosseguiu durante os últimos setenta anos divulgando mensagens de amor e paz, vivenciando os postulados da doutrina que lhe conduz a existência, reunindo amigos e simpatizantes em torno do ideal e criando uma vasta obra social, homenageando Jesus, o Modelo e Guia da Humanidade.

O seu curriculum apresenta dados surpreendentes: criação de mais de uma centena de Instituições Espíritas dedicadas à educação das massas, escolas, lares, hospitais por mais de duas mil cidades em setenta países que teve ocasião de percorrer.

O seu exemplo de dedicação e a sua alegria de viver, às vésperas de completar noventa anos de idade, convidava os ouvintes a reflexões profundas em torno do Evangelho de Jesus e da Sua ética existencial, demonstrando que a vontade, quando dirigida ao bem, é capaz de transformar sonhos muitos difíceis em realidade legítima.

Procedente de modesta família do interior do Estado da Bahia, sem formação universitária, havia elegido o amor como veículo de uma vida feliz e próspera em saúde e bênçãos, demonstrando que é possível vencer-se a violência através da ação passiva e dignificadora.

Na ocasião, para surpresa do expositor iniciava-se a filmagem de uma película narrando-lhe a existência, a fim de estimular outras pessoas à prática do bem, do dever e da irrestrita confiança em Deus…

Durante o período em que esteve realizando o Seminário, volveu ao passado e agradeceu a Deus, assim como aos seus Guias espirituais e amigos humanos, dominado pela emoção.

Ei-lo aqui agradecendo aos leitores pela sua gentileza e bondade.


Divaldo Pereira Franco.
      Artigo publicado no jornal A Tarde,
coluna Opinião, em  6.4.2017.
Em 17.4.2017.

Fonte: Divaldo Franco


Postar um comentário