segunda-feira, 21 de maio de 2018

Owen K Waters: O CAMPO DE DEUS.

O CAMPO DE DEUS.
por Owen K Waters

A claridade pode estar próxima da santidade, mas a curiosidade aproxima você ainda mais. Fomos dotados do senso de curiosidade de nosso Criador, e é isso que nos dá o desejo de entender a natureza da realidade.

Neste artigo, você verá que uma filosofia baseada no Criador, de cima para baixo, pode fornecer respostas aos mistérios que iludem a ciência materialista de hoje.

A questão chave que alguém precisa perguntar para desvendar os mistérios do Universo é primeiro dizer: "Como é que o Criador fez isso?"

Ao olhar para a Criação de cima para baixo, este artigo fornecerá a resposta a dois dos mais inquietantes mistérios da ciência da física atual: como a luz é transmitida e qual é a natureza da gravidade?

A criação foi alcançada através da separação da Consciência Original em dois aspectos distintos – o Pensamento Puro e o Amor Puro, e a partir de então, colocou-os em movimento complementar. É o aspecto do Amor Puro que é comprimido neste reino físico como o campo que forma o próprio tecido do espaço.

Até um século atrás, a ideia de um campo onipresente era geralmente aceita pela ciência. Era considerado um meio de transporte de luz, e era chamado de éter, até o momento em que foi abandonado por causa de um experimento mal compreendido.

Considere isto: o senso comum diz que a luz deve ser carregada por algum tipo de meio. Afinal, as ondas sonoras são transportadas pelo ar e as ondas de água são transportadas através de corpos de água. Há sempre um meio que carrega qualquer tipo de onda de energia. Ondas de luz são vibrações em um meio de algum tipo, então o que está acenando? Atualmente, a ciência é incapaz de responder a essa pergunta de qualquer maneira que satisfaça o senso comum.

O experimento de Michelson-Morley de 1887 foi o ponto de virada na opinião científica sobre o éter. Esta experiência supôs que, se a Terra se move através de um sistema solar preenchido com um campo de éter estático, então a velocidade do deslocamento orbital da Terra deve afetar a velocidade da luz na Terra. Se você acender um feixe na direção do deslocamento orbital, ele deve ter uma velocidade diferente quando comparado a um feixe que brilha lateralmente na direção do deslocamento, pois um feixe ganha algum benefício da velocidade da Terra enquanto o outro não. Como nenhuma diferença foi detectada, assumiu-se que não existe campo de éter.

A falha fatal no experimento é que ele faz a suposição de que a Terra se move através de um campo fixo e estático no espaço, mas, e se um corpo físico enorme como a Terra carrega consigo seu próprio campo de éter?

Não é difícil imaginar uma aura aórtica ao redor do corpo da Terra como a aura que existe ao redor do seu corpo.

Se você operar este experimento dentro de um campo etéreo que viaja com a Terra, então qualquer movimento através do éter não será aparente porque seu campo está viajando com você.

Hoje, tendo abandonado o conceito de éter, a ciência postula que o espaço é preenchido com um vácuo. Por definição, um vácuo não é nada, então não pode ser um meio para a propagação de algo, de modo que a ideia não faz nada para preencher o buraco que apareceu na ciência da física.

A teoria da relatividade atualmente em voga, afirma que suas misteriosas equações não requerem um meio para a propagação da luz. Em vez disso, introduz a ideia do espaço-tempo como um tecido de espaço, qualquer que seja o espaço-tempo. Do ponto de vista do senso comum, faz tanto sentido quanto dizer: "Vou ter a certeza de arrumar uma caixa de tempo para tê-la com o meu almoço!"

Enquanto isso, a grande dica de Deus sobre a natureza exata do campo do éter tem sido projetada à vista por mais de um século. Em 1862, Maxwell descobriu que a luz é de natureza eletromagnética. Desde então, descobrimos que elétrons e fótons de luz são notavelmente intercambiáveis. Então, se as ondas de luz são como ondas elétricas viajando pelo espaço, então de onde vem a parte magnética de uma onda eletromagnética? Obviamente, é a natureza magnética do éter - o tecido do espaço - que fornece as ondas magnéticas complementares que compõem as ondas de luz eletromagnéticas.

Uma palavra de cautela aqui: A palavra éter, ou seu éter moderno, causa muita confusão, porque soa muito como o termo de energia etérica, que é uma energia completamente diferente. A energia vital etérica ou vital, é usada no trabalho de cura, e é uma energia que dá vida.

O que podemos fazer para distinguir entre o éter como o tecido do espaço e a energia etérica como a energia vital usada pelos curadores? Traga Deus para a foto!

O melhor nome para o campo onipresente da energia do amor Divino que preenche nosso Universo é, naturalmente, o campo de Deus!

Aqui está minha definição da expressão física do campo de Deus, anteriormente conhecido como o éter:

O campo de Deus é o tecido do espaço. É uma energia magnética, sutil e fluida, que preenche todo o espaço. É intensificado dentro e ao redor da matéria, onde sua natureza atrativa produz a força da gravidade.

Owen K Waters
13/05/2018

Owen K Waters é o autor de Liberdade do Espírito: Quatro Poderosos Passos para a Liberdade Espiritual, e está disponível neste link (inglês) https://www.spiritualdynamics.net/ebooks/freedom.htm


Fonte: Spiritual Dynamics
http://spiritualdynamics.net/

Tradução: Adriano Pereira

blogluzevida@gmail.com

Luz, Amor e gratidão
 ҉

Postar um comentário